Pular para o conteúdo principal

Raul Seixas & Marcelo Nova - A Panela do Diabo (1989)

A Panela do Diabo é o décimo quinto e último álbum de Raul Seixas e o segundo de Marcelo Nova, lançado em 19 de agosto de 1989 pela gravadora WEA. O disco foi possível pela aproximação progressiva entre Raul e Marcelo que começou a se intensificar a partir de 1984 e viria a culminar em duas turnês conjuntas (Anestesia, de novembro de 1988 até maio de 1989, e A Panela do Diabo, de 02 de junho até 13 de agosto de 1989) e este álbum. O disco foi muito bem recepcionado pela crítica especializada e teve vendagem de mais de 150 mil cópias no seu ano de lançamento, rendendo um disco de ouro aos artistas. Possibilitou, também, a aproximação de Raul com as novas gerações, apresentando o artista e preparando o terreno para a condição de mito que ele adquiriria nos anos seguintes a sua morte, com reedições de seus álbuns e o lançamento de diversas coletâneas. É conhecido pelas canções "Carpinteiro do Universo" e "Pastor João e a Igreja Invisível".
Faixas:
01. Be Bop a Lula
02. R…

Belchior - Elogio Da Loucura (1988)

Em 1988, enquanto gravava o álbum Elogio da Loucura e já não era mais um grande vendedor de discos, Belchior declarou numa entrevista: "Eu estou na expectativa de que haja interesse maior nesse disco novo. Afinal, ninguém faz 11 discos impunemente. É um trabalho que eu acredito ter uma coerência singular com os meus temas de sempre, aquela coisa de conflito de poderes, do cidadão comum contra o cotidiano da cidade, da luta na cidade grande do imigrante. Além disso, estou completando 20 anos de atividades e no disco novo vou tentar contar o que aconteceu com essa geração. Me sinto maduro para tentar isso".

Cheio de referências literárias e de cultura pop, com citações de Bod Dylan, Freud, Martin Luther King e John Lennon, o disco tinha a síntese de sua proposta na canção Os Profissionais: "Onde anda o tipo afoito que em 1968 queria tomar o poder?".

Faixas:
01. Amor de Perdição 
02. Elegia Obscena 
03. Balada de Madame Frigidaire 
04. No Maior Jazz 
05. Recitada 
06. Lira dos Vinte Anos 
07. Os Profissionais 
08. Kitsch Metropolitanus 
09. Tambor Tantã 
10. Arte Final 

Baixar:

76 MB - MP3 - 320 Kbps - REMASTERIZADO


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gal Costa - Bem-Bom (1985)

Bem Bom é o vigésimo álbum de Gal Costa. Como maiores sucessos se destacaram as baladas "Sorte", em dueto com Caetano Veloso, e "Um Dia de Domingo" com Tim Maia.
Faixas:
01. Sorte (com Caetano Veloso)
02. O Último Blues
03. Um Dia de Domingo (com Tim Maia)
04. Acende o Crepúsculo
05. Muito Por Demais
06. Romance
07. Musa de Qualquer Estação
08. Bem Bom
09. Todo o Amor que Houver Nesta Vida
10. Quem Perguntou Por Mim
11. De Volta ao Futuro

Baixar:
104 MB - ZiP - MP3 - 320 Kbps - REMASTERIZADO
pCloud - Google Drive - Box - MEGA - MediaFire



Chico Science & Nação Zumbi - Afrociberdelia (1996)

O segundo e último disco de Chico Science e Nação Zumbi foi lançado em 1996, é considerado seu melhor trabalho e deu sequencia ao revolucionário manguebeat, introduzido no Brasil por eles e pelo  Mundo Livre S/A. Produzido por Eduardo Bid, composto por 23 músicas, como “Manguetown”, “Samba do Lado”, “Etnia”, “O Cidadão do Mundo”, “Macô” (com participação de Gilberto Gil) e outras. Além da antológica regravação de “Maracatu Atômico”, de Jorge Mautner. 
Faixas: 01. Mateus Enter  02. O Cidadão do Mundo  03. Etnia  04. Quilombo Groove (Instrumental)  05. Macô  06. Um Passeio no Mundo Livre  07. Samba do Lado  08. Maracatu Atômico  09. O Encontro de Isaac Asimov e Santos Dumont no Céu  10. Corpo de Lama  11. Sobremesa 12. Manguetown  13. Um Satélite na Cabeça  14. Baião Ambiental (Instrumental)  15. Sangue de Bairro 16. Enquanto o Mundo Explode 17. Interlude Zumbi 18. Criança de Domingo 19. Amor de Muito 20. Samidarish (Instrumental) 21. Maracatu Atômico (Atomic Version) 22. Maracatu Atômico (Ragga Mix) 23. Marac…

Cartola - Verde Que Te Quero Rosa (1977)

A necessidade de proteger a cabeça do cimento que despencava lá de cima, durante o árduo trabalho de operário na construção civil, o forçou a usar um chapéu coco, encontrado no lixo. O apelido, que mais tarde também se tornaria o seu nome artístico, surgiu dali. Autodidata no violão – Cartola já era assediado, do “alto de seus vinte e poucos anos”, por gente de peso da música popular brasileira que estava à procura de sambas para seu repertório. Vendeu alguns deles e acabou sendo gravado por Francisco Alves, Carmen Miranda e Silvio Caldas, entre outros. A foto espetacular da capa do LP, tirada de óculos escuros, com cigarro aceso, cafezinho e muita, muita classe, dá ideia da música que está cravada nos sulcos do vinil – Verde Que Te Quero Rosa é um grande disco do mestre Cartola. Seu repertório conjuga sambas inéditos de diversos períodos com diamantes de sua produção presente, registrados com o “auxílio” de um super time de amigos: Nelson Cavaquinho, Radamés Gnatalli, Altamiro Carril…